O Microlearning e o Rapidlearning ainda são uma boa solução para EAD?

Microlearning

Há algum tempo o Microlearning e Rapidlearning se tornaram tendência em EAD. Desde seu auge em meados de 2006, pouco se discutiu sobre a sua origem na Educação a distância, no entanto ainda há dúvidas sobre suas aplicações e eficiência.

O ensino a distância aplicado a empresas surgiu no Brasil na década de 90 para suprir as deficiências dos métodos tradicionais de ensino corporativo.

E com o passar do tempo essa mesma educação a distância passou por diversas transformações para garantir que o tempo e os recursos de treinamento e capacitação de pessoas fossem utilizados de maneira cada vez mais eficientes e gerando melhores resultados.

A necessidade de ser mais produtivo foi erroneamente relacionado a transmitir o máximo de conhecimento no menor tempo possível. Neste cenário, o Microlearning e Rapidlearning pareciam ser as melhores ferramentas para resolver esse dilema do ensino virtual. Mas será que eram?

Antes de falarmos sobre isto, veremos o que exatamente é o Microlearning e o Rapidlearning.

O que é Microlearning?

O Microlearning leva esse nome devido ao seu formato reduzido com relação ao e-Learning tradicional. Até mesmo em comparação com o Rapidlearning, ele é bastante conciso.

Por definição, o Microlearning é a criação de um curso que tenha uma média de duração de 2 a 5 minutos, ou seja, ele é um método focado na transmissão de poucas informações, onde você irá procurar resolver uma questão pontual, como sanar dúvidas específicas de um processo ou os principais recursos de funcionamento de uma ferramenta que demonstre como resolver um determinado problema.

Ao desenvolver um Microlearning deve-se planejar muito bem o que será transmitido, pois seu foco quase sempre deve ser direcionado para resolver uma situação bastante específica.

Por exemplo, no caso de uma necessidade pontual de aprendizado em Excel para uma determinada equipe, ao invés de oferecer um curso completo de Excel ou dar acesso a Tutoriais e Manuais complexos, a área de treinamento oferece um Microlearning que auxilia os alunos a entender especificamente aquela atividade que é exigida para a realização do trabalho.

Normalmente esse formato é mais eficaz nos casos em que o público a ser treinado domine a ferramenta e precise apenas de instruções básicas de execução de uma determinada atividade. Este método pode apresentar um impacto positivo muito grande se for bem direcionado.

Portanto, o Microlearning é:

  • Extremamente ágil.
  • Destinado a uma demanda bem específica.
  • De fácil acesso e compreensão.

O que é Rapidlearning?

O Rapidlearning também é um método de aprendizado à distância, porém que possui a agilidade como seu principal foco. Contudo, em contraposição ao Microlearning, ele é um formato relativamente mais extenso e possui a possibilidade de abranger mais assuntos dentro um determinado tema.

Por definição, são cursos superiores a 5 minutos com no máximo 60 minutos de duração, seu grande diferencial é a tentativa de consolidar informações, evitar ser prolixo ou em tratar de assuntos de menor relevância.

Em um projeto que tem um prazo apertado e que apenas tem a função de informar ou atualizar os funcionários, pode ser uma boa alternativa.

Problemática do excesso de conteúdo

É evidente que em um mundo tão globalizado e com o ingresso as novas gerações ao mercado de trabalho, as empresas sentem a necessidade de acompanhar as mudanças constantes do mercado.

Treinamentos mais concisos, objetivos, criativos e dinâmicos prendem mais a atenção das novas gerações e contribuem para aumentar a produtividade do processo de desenvolvimento de cursos online em uma empresa.

A ideia da alta liderança de que “o aluno precisa aprender tudo”, está sendo gradativamente substituída por “o aluno tem que aprender o necessário para o desempenho de suas atividades”, e essa mudança gera mais força ao Microlearning e Rapidlearning

Microlearning
Designed by freepik

Qualidade é crucial

Deve-se destacar que produzir um conteúdo prático e conciso não é o mesmo que produzir um conteúdo de baixa qualidade. Quando se utiliza a técnica do Microlearning e do Rapidlearning, deve-se ter uma atenção redobrada com relação a qualidade do que está sendo produzido.

A técnica instrucional deve ser mais criativa, e a forma de apresentação do conteúdo deve ser mais dinâmica e objetiva se comparada a um e-Learning tradicional. Imagine um curso de curta duração sem um caso lúdico? Imagine que desestimulante é ter acesso a um conteúdo que parece superficial, sem criatividade e irrelevante.

Conclusão Comparativa

De fato, ao se comparar o Microlearning e o Rapidlearning vemos que as suas aplicações em qualquer dos formatos podem se mostrar adequados quando se deseja focar apenas naquilo que necessita ser trabalhado, excluindo-se formações complexas e assuntos que necessariamente precisem de um maior aprofundamento.

São métodos que se utilizados adequadamente, podem complementar as rotinas de aprendizado na empresa. São soluções interessantes que podem atacar problemas menores ou situações pontuais, sendo, nos dois modelos, soluções que podem ser de extrema eficácia.

Os ganhos em agilidade e eficiência podem parecer tentadores, principalmente no cenário atual, em que as empresas são cada vez mais exigentes em termos produtividade. Mas é importante salientar que essas metodologias dificilmente substituem de forma adequada as ferramentas de desenvolvimento contínuo.

Desta forma, cabe ao profissional de treinamento sempre ponderar as demandas e saber direcionar as ações de treinamento de acordo com as necessidades formação de cada equipe.

Formato de Vídeos em Microlearning e Rapidlearning

Até agora falamos de Microlearning e Rapidlearning em um formato tradicional, mas você já pensou o quanto pode ser eficaz em um modelo de vídeo?

O formato de vídeo é cada vez mais usado para Microlearning e Rapidlearning, pois nele é possível associar a curta duração com estímulos auditivos e visuais que aumentam significativamente a efetividade nesta modalidade.

É comprovado que ao associar áudio e visual em formato multimídia, utilizando exemplos práticos e cases a absorção, podemos ter um aproveitamento até 60% maior que de um e-Learning tradicional.

Se você acredita que alguns dos dois métodos resolveriam situações pontuais na educação corporativa da sua empresa, mas ficou com receio de suas aplicações, é importante buscar uma empresa  especializada em desenvolvimento de vídeos para treinamentos e educação profissional, que poderá fornecer soluções multimídias que irão suprir suas demandas.